Banco de Portugal: Proposta de novo AE

banco de portugaldeladoA Administração do Banco de Portugal apresentou em Fevereiro deste ano ao SinTAF, a denúncia do Acordo de Empresa, subscrito entre o Banco de Portugal e o SinTAF em 2009

Aos trabalhadores do Banco de Portugal Sócios ou não Sócios do SinTAF

A Administração do Banco de Portugal apresentou em Fevereiro deste ano ao SinTAF, a denúncia do Acordo de Empresa, subscrito entre o Banco de Portugal e o SinTAF em 2009.

Acordo de Empresa denunciado de 2009-BTE

AE-proposta (formato PDF 10 MBytes)

A proposta agora apresentada pela Administração (igual para todos e disponível em www.sintaf.pt ) representa um ataque feroz aos interesses e Direitos dos Trabalhadores do Banco de Portugal dos quais salientamos:

  • Acabam as promoções aos trabalhadores com mérito positivo em cada período de seis anos;
  • Acabam as isenções de horário de trabalho com pagamento de 2 horas diárias de trabalho suplementar;
  • Eliminação da fórmula de cálculo do trabalho suplementar;
  • Cessam as Diuturnidades da Alínea b);
  • Cessam as anuidades;
  • Cessa o prémio de Antiguidade;

São ainda alteradas dezenas de Cláusulas com o objectivo de piorar as condições de vida e de trabalho dos Trabalhadores.

O SinTAF norteia os seus objectivos na defesa dos interesses e direitos dos trabalhadores, neste caso importa ouvir todos os trabalhadores e as suas opiniões e sugestões para preparar melhor a sua defesa, pelo que, ficam por este meio convidados a participar numa reunião no Auditório do Banco de Portugal na Av. Almirante Reis no próximo dia 5 de Abril pelas 17H.

Existem condições políticas favoráveis à defesa da manutenção da Convenção Colectiva de Trabalho em vigor.

O Banco de Portugal dispõe de condições económicas bastantes para assegurar o cumprimento deste Acordo de Empresa.

Trabalhador sindicalizado está mais seguro,

… mas só no sindicato certo!!!

JUNTA-TE AO SinTAF, Defende o teu Acordo de Empresa

Acordo de Empresa denunciado de 2009-BTE

AE-proposta (formato PDF 10 MBytes)

2018 02 28 Banco de PortugalAos Trabalhadores do Banco de Portugal:

O SinTAF, conforme anunciado, levou a cabo mais uma ronda de reuniões com os Trabalhadores, com o intuito de dar a conhecer o ponto da situação relativamente às negociações em curso entre este Sindicato e a Administração do Banco de Portugal, no que toca à assinatura dum novo AE.

Após esta ronda de contactos, saiu reforçada a nossa convicção e a nossa determinação de não assinar o acordo que nos querem impor e que foi acordado com outros sindicatos do sector, que sem representar qualquer mais-valia em termos económicos, sociais ou organizacionais/funcionais, tenta retirar direitos adquiridos atacando fortemente conquistas civilizacionais e avanços sociais que se apresentaram sempre como uma mais-valia para uma entidade de referência do País.

Parece-nos estranho que o Banco de Portugal que goza de uma autonomia e independência sem qualquer paralelo em Portugal, seja a defensora desta via miserabilista, que representa um modelo de gestão de recursos humanos que consideramos indigna da instituição que servimos e dos trabalhadores que nesta laboram.

Vamos continuar a negociação do nosso AE com o objectivo claro de manutenção dos Direitos anteriormente consagrados e se possível a melhoria dos mesmos, porque o Banco de Portugal é um Regulador e não um Banco Comercial cujo objectivo é a obtenção do lucro para os seus accionistas como política principal da sua acção.

Podem os Trabalhadores do Banco de Portugal, continuar a contar com o apoio do SinTAF na defesa do que por direito próprio se conseguiu conquistar ao longo de décadas, o retrocesso que se pretende alcançar com este novo AE acordado entre o Banco de Portugal e outros sindicatos é intolerável, inquietante e incompreensível, só podendo ser analisado numa vertente ideológica e nunca numa perspectiva de Gestão.

Na Sociedade Portuguesa a discussão sobre a Legislação laboral, o fim da caducidade das convenções colectivas, e a recuperação de direitos recentemente perdidos pelos que trabalham, está novamente na ordem do dia. Estaremos inseridos neste processo de discussão pública com a mesma disposição e sentido de compromisso que nos tem distinguido e um sentido do conceito de Sindicalismo que faz de nós um Sindicato em que a razão da nossa força terá que ser a força da nossa razão.

Resistir, a estas novas investidas que visam fragilizar e dividir os Trabalhadores desta Instituição, contará sempre com a nossa frontal oposição, oposição essa mais forte e capaz quanto mais forte e capaz for a representatividade e o apoio que os Trabalhadores nos derem.

SINDICALIZA-TE NO SinTAF!

A ÙNICA LUTA QUE SE PERDE É AQUELA EM QUE ABDICAMOS DE LUTAR!

2017 10 07ptbanck 1 696x342Propostas do Banco de Portugal de Alteração do AE subscrito pelo SinTAF-Parte I

Depois da denúncia do Acordo de Empresa por parte da Administração e da resposta do SinTAF, vem o Banco de Portugal apresentar uma nova proposta.

A esta nova proposta vimos a trabalhar uma nova resposta que contemple a manutenção dos direitos nas relações de trabalho e na massa salarial auferida pelos trabalhadores.

No fundamental a nova proposta patronal insiste na retirada de direitos que facilitem a intensificação da exploração e o empobrecimento dos trabalhadores:

  • Abolição do Sábado como dia de Descanso, (regredindo mais de meio século, antes até da própria “semana Inglesa”),
  • Eliminação do Prémio de Antiguidade para os novos Trabalhadores (desvalorização a quem dedicou o seu trabalho ao Banco de Portugal, abdicando de aceitar melhores ofertas de trabalho),
  • Eliminação das Promoções por Mérito depois de permanência de seis anos com avaliação positiva (desvalorização da carreira profissional e de valorização do trabalho),
  • Eliminação das Anuidades,
  • Redução da Isenção de Horário, etc.

Não encontramos nenhuma razão fundamentada para esta persistente tentativa de eliminação de direitos, de desvalorização do trabalho e consequente empobrecimento dos trabalhadores, quer por parte da Administração quer por parte dos sindicatos da UGT, dos Quadros e Técnicos e dos Independentes, a não ser por razões ideológicas no apoio incondicional ao Capital e consequente exploração do Homem pelo Homem.

Após a retoma das negociações, iremos propor novas reuniões com os trabalhadores do Banco de Portugal para apreciarmos o andamento do processo e decidir as medidas a tomar. O SinTAF, não aceita estas propostas de retrocesso civilizacional em pleno século XXI

O SinTAF está disponível para com os trabalhadores promover as iniciativas tendentes à defesa dos seus direitos e à melhoria dos seus salários.

O SinTAF reafirma e reforça que em virtude dos colossais LUCROS obtidos, existem condições políticas e económicas, para a concretização de uma redistribuição da riqueza alcançada, através de um modelo de Contratação Colectiva justo e digno que possa ser uma referência no Sector Financeiro Português.

Pela Defesa Do AE Do Banco De Portugal!!

Pela Defesa Dos Postos De Trabalho E Dos Trabalhadores!!

Por Condições De Trabalho Dignas E Com DIREITOS!!!

ADERE AO SinTAF!

SINTAF-Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira.

Avenida Almirantes Reis, n.º 74 G - 1150-020 Lisboa

Telefone +351 218124992

Correio eletrónico: sintaf@sintaf.pt